sexta-feira, agosto 26, 2005

Eidetismo II

De repente deparo-me com um bosque em minha frente. Fora as gramíneas, os primeiros vegetais que meu olhar intercepta são jovens, são mudas. Evoluem para árvores imponentes e majestosas... Que são flores perto destas, tão garbosas? Festa das cores, perfume da primavera, dança selvagem e sutil: convite a um passeio. Conforme vou, excitada, adentrando-me à floresta, as cores vão desaparecendo, assim como a vida. Árvores tão vistosas envelhecem, o tempo passa e não o vejo, não o alcanço. A medida que avanço o ar torna-se denso e viciado, as cores se perdem totalmente, a luz também. Perco a direção, para onde devo ir?, perdida começo a girar sem mover os pés. Corro desesperadamente, o gosto de sangue na boca, o calor, as feridas e os arranhões, degrado(-me). Com o tempo e o cansaço, tudo fica mais nítido e claro. Alcanço uma clareira onde, atônita, vejo bruxas enforcadas nas árvores com os pés de morte balançando em um passivo e mórbido bailar. E o olhar de quem viu verdade. O olhar me incomoda e faz surgir ruídos dolorosos na minha cabeça. Começo a gritar de desespero, perco o chão sob os meus pés e inicio uma queda infindável em meio às trevas.
Depois da tormenta, a calmaria: passeio por um jardim repleto de flores, onde, ao longe, crianças brincam em um playground. Está chovendo e trovejando, pelas narinas o cheiro de terra molhada. Está escuro, mas perfeito: a chuva é minha redenção, os trovões embalam os sentidos cada vez mais aguçados.
O despertador toca, rapidamente me arrumo pra mais um dia de olhares massacrantes no colégio. Corro para não perder a aula, como se ansiasse pelos olhares de reprovação. Ao encarar a professora, sinto um frio estranho: meus pés estão descalços e o chão, gélido. Gélido como as risadas da sala. Gélido como a idéia de não ter sapatos. Gélido como a vida de uma criança perdida.

7 comentários:

renato disse...

não sei se estou sóbrio o suficiente pra emitir um comentário agradável, mas a euforia alcóolica me obriga à escrever...
seus sonhos renderão um capítulo à parte no meu livro... acho q vira filme, na pior das hipóteses uma novela mexicana... =o
eu sempre quis ir pra aula descalço...

Demétre disse...

Estou aqui ;)
Foi mal a ausência, só agora pude dar as caras.
Perfeita a parte dos sonhos e do colégio! O olhar do outro é um inquisidor terrível. Ainda mais na sala de aula.
Depois de um dia estafante de colégio eu teria o máximo prazer em ter o mesmo sonho, mas com os colegas de sala enforcados no lugar das bruxas...hehehehe

Bjossss

N.B.: meu blog se chama Freiheit. E te adicionei no msn.

Diane disse...

Luísa... a forma como você descreve as sensações torna tudo real demais, é como estar no seu conho vivenciando cada momento! Um abraço!

LuLu disse...

Luísa, você é uma das pessoas que eu conheço que melhor sabe construir metaforas e imagens e lugares e nos fazer vivenciar situações que nos faz parecer viver... Lindo tudo que você escreve. Até mesmo as partes mais sobrias.

Diane disse...

Oi moça! Vim dar-lhe boa noite e que seja ótima e que seja perfeita e que seja plena... como esta enxurrada de sentimentos que formam simplesmente: Luísa.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

be disse...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,