domingo, outubro 29, 2006

Butoh I

foram muitas mortes para você ser do jeito que é hoje.
todo o seu presente,
todo o seu eu deve sua condição (d)e existência aos seus mortos.
seus ancestrais.

carregue consigo sua legião de mortos, pois a morte é o começo,
e é a morte que o garante hoje.
cada pessoa, cada familiar,
cada sonho seu, cada sonho alheio,
cada amigo e inimigo,
cada bandeira e dogma
cada desastre e glória
cada.

não pise no palco sem carregar consigo seu exército
de rosas podres. a energia do que poderia ter sido
e não foi. por você.

(à infância do pai vendendo alface na rua
e à sua luta pro luxo meu de cada dia
à subserviência da mãe e seu eterno
sacrifício
à tia-avó carcomida de caranguejos
aos outros tantos espermatozóides
que ficaram pra trás)

não é o assassino. nunca se sinta culpado
dos mortos que o fizeram.
seja eternamente grato:
carregue-os consigo.

nunca teria noção da força de sua legião de mortos.